Fale Connosco

+351 255 214 495

Registo

Ryan McMaken | Sem Crédito Artificialmente Barato, o Setor de Tecnologia Enfrenta Demissões e Prejuízos

O setor de tecnologia nos EUA beneficiou-se de mais de uma década de taxas de juros [artificialmente baixas]. Mas agora parece que a era do dinheiro fácil pode estar a acabar – pelo menos por enquanto [Nota do editor: isto porque os bancos centrais, como o Federal Reserve e o Banco Central Europeu, estão a aumentar a taxa de juros e a contrair seus balanços, mas existe a possibilidade de eles reverterem esta política, voltando a deixar os juros artificialmente baixos e a expandir seus balanços, gerando mais má alocações de recursos] – e isso significa problemas para o setor há tanto tempo apegado a empréstimos baratos.

 

Há apenas um ano, o rendimento do [título de dívida dos EUA] de 10 anos era de 1.4%. Neste mês, no entanto, aumentou para mais de 3.6% e, em toda a economia, os devedores estão a descobrir que o financiamento da dívida não é tão barato quanto costumava ser. Os empregadores do setor de tecnologia estão a responder como seria de esperar. Meta/Facebook anunciou 11 mil demissões. A Amazon em breve demitirá 10 mil funcionários. O Twitter demitiu pelo menos 3700 funcionários. Stripe, Microsoft e Snap demitiram cerca de mil trabalhadores cada. Salesforce e Zillow demitiram centenas. Dezenas de outras empresas reduziram ou pararam as contratações.

 

Graças ao aumento dos custos da dívida, os empregadores precisam cortar custos, mas muitos empregadores logo enfrentarão uma queda das receitas também. Dado que uma infinidade de indicadores aponta para uma recessão que se aproxima – a curva de juros é agora a mais invertida desde 1982  – isso provavelmente é apenas o começo [Nota do editor: veja aqui por que a inversão das curvas de juros é um indicador de uma possível recessão].

 

O que estamos a testemunhar é o fim da mais recente bolha tecnológica. E o que pareciam ser empresas de boa qualidade prontas para crescerem sem esforço para sempre, de repente serão caracterizadas mais por corte de custos, queda de receitas e um trabalho árduo em busca de mais capital.

 

O fim do dinheiro fácil também separará os verdadeiros inovadores e empreendedores – pessoas que criam valor real – das fraudes tagarelas que só parecem inteligentes ou produtivas quando podem pedir mais dinheiro emprestado para financiar seus empreendimentos fracassados e estagnados.

 

A menos que o banco central e os governos intervenham para fornecer resgates e apoios, a indústria enfrentará um acerto de contas muito necessário. Isso ajudará a corrigir mais de uma década de maus investimentos e bolhas a sustentarem empresas pesadas e ineficientes que nunca poderiam sobreviver sem o crédito artificialmente barato fornecido pela compra de ativos [através da expansão monetária, aumentando o balanço do banco central] e a política de juros artificialmente baixos do banco central.

 

Até muito recentemente, as taxas de juros vinham a cair há décadas nos Estados Unidos, e isso significava que as empresas geralmente conseguiam bancar dívidas mais baratas [a curto prazo]. Isso aumentou o valor das empresas e tornou mais fácil para as mesmas encontrarem investidores.

 

Mesmo para empresas que nunca – ou quase nunca – obtêm lucro, o dinheiro [artificialmente] barato significa que o dia do ajuste de contas pode simplesmente ser adiado para o futuro. Em muitos casos, chamamos essas empresas de zumbis: elas não têm valor real, mas podem permanecer “vivas” a pagarem dívidas mais antigas e caras com novas dívidas mais baratas [Nota do editor: veja mais sobre as empresas zumbi aqui].

 

Mas as coisas são muito diferentes quando o dinheiro [artificialmente barato] começa a ficar escasso. Como Ryan Browne, da CNBC, mencionou recentemente:

 

“Taxas de juro mais altas representam desafios para grande parte do mercado, mas representam um revés notável para empresas de tecnologia que estão a perder dinheiro. Os investidores valorizam as empresas com base no valor presente do fluxo de caixa futuro, e taxas mais altas reduzem o valor desse fluxo de caixa esperado.”

 

Como resultado:

 

“[…] a atividade de negócios de risco tem diminuído […] Nem todas as empresas sobreviverão à crise económica iminente – algumas irão falir, de acordo com Par-Jorgen Parson, sócio da empresa de capital de risco Northzone. ‘Veremos falências espetaculares’ de algumas empresas unicórnios altamente valorizadas nos próximos meses, disse ele à CNBC.

 

Os anos de 2020 e 2021 viram somas de dar água na boca em torno de ações, à medida que os investidores aproveitavam a ampla liquidez do mercado. A tecnologia foi uma das principais beneficiárias graças às mudanças sociais provocadas pelo Covid-19, como trabalhar em casa e aumentar a adoção digital […] Em um momento em que o estímulo monetário está a diminuir, esses modelos de negócios foram testados.”

 

Parte da razão pela qual os investidores agora estão menos interessados ​​em “unicórnios” [Nota do editor: “unicórnios” são startups que atingem uma capitalização de mercado de US$ 1 mil milhões sem serem listadas em bolsa; veja detalhes aqui] é que, à medida que as taxas de juro aumentam, os investidores ficam menos desesperados para buscar rendimento nos cantos menos comprovados e arriscados da economia. Quando a dívida do governo e outros investimentos de baixo risco estão a pagar rendimentos próximos a zero, os investidores serão muito mais agressivos em encontrar investimentos mais arriscados que paguem pelo menos algo acima de zero. Isso inclui empresas unicórnios da moda de alto risco que prometem grandes retornos. Mas, à medida que os títulos de dívida do governo e investimentos semelhantes começam a prometer rendimentos mais altos – como estão a fazer agora – há menos pressão para despejar dinheiro em qualquer [empreendimento] que está a ser apresentado como a próxima grande novidade para os investidores. Além disso, em tempos de dinheiro [artificialmente barato], os investidores têm mais dinheiro para gastar.

 

Uma vez que o regime de dinheiro [artificialmente] barato termina, no entanto, novos investidores reticentes tornam-se mais interessados ​​em realmente analisar os fundamentos das empresas que procuram investidores. Isso significa que as empresas terão de realmente mostrar que são eficientes e apenas contratar funcionários que realmente criem valor.

 

Para muitas empresas de peso, isso significa demissões. É por isso que Mark Zuckerberg, da Meta, reclamou recentemente que “[…]provavelmente há muitas pessoas na empresa que não deveriam estar aqui”. As ações da Meta caíram mais de 50% este ano, e a Meta perdeu receita, já que a obsessão de Zuckerberg com o metaverso não foi muito popular entre os consumidores.

 

Elon Musk está no meio de algo semelhante no Twitter, demitindo milhares de funcionários e exigindo que os que permanecem estejam preparados para trabalhar longas horas. Enquanto funcionários e ex-funcionários do Twitter reclamam continuamente online sobre como tudo estava maravilhoso no Twitter até Musk aparecer, a realidade é que o Twitter teve apenas dois anos lucrativos (2018 e 2019) e não é eficiente nem inovador.

 

Certamente não é difícil ver por que Zuckerberg e Musk iriam querer cortar custos se os vídeos recentes sobre “um dia na vida” na Meta e no Twitter são reais. Os dois vídeos, agora notórios, mostram jovens funcionárias a andarem pelos escritórios da Meta e do Twitter, mostrando como trabalham pouco e como são opulentos os privilégios do escritório. As regalias aparentemente incluem comida gourmet de cortesia, vinho tinto na torneira e cappuccinos gratuitos. Em maio, os repórteres do Projeto Veritas capturaram um engenheiro sénior do Twitter a gabar-se do quão pouco ele trabalha:

 

“Basicamente fui trabalhar, tipo, quatro horas por semana no último trimestre. E é assim que funciona na nossa empresa…. Essencialmente, tipo, todo mundo pode fazer o que quiser, ninguém realmente se preocupa com, tipo, [despesas operacionais].”

 

O engenheiro compara essa abordagem no Twitter com “capitalistas” que “se preocupam com números ou se preocupam em como tornar o negócio mais eficiente”.

 

Se for verdade, é uma ilustração perfeita de como a era do crédito [artificialmente] barato possibilitou que as empresas fossem altamente valorizadas, mesmo quando seus funcionários seniores são essencialmente um [desperdício de recursos].

 

Essas empresas provavelmente também estão a olhar para mais sucessos do lado da receita. David Zaslav, CEO da Warner Bros. Discovery, alertou esta semana que o mercado publicitário está pior agora do que em qualquer outro momento durante a desaceleração de 2020.

 

Mais uma vez, descobrimos que, à medida que os custos dos empréstimos aumentam, as empresas têm menos dinheiro para gastar em outros lugares. Os anunciantes reduziram os gastos, e isso significou impactos na avaliação de empresas de media como a Warner Bros. Discovery. Esse padrão também se estende às empresas de rede social.

 

A história da última década tem sido, em muitos casos, [de aumento artificial de capitalização de mercado] de empresas que muitas vezes perdem dinheiro, contratam funcionários que mal trabalham e simplesmente arrecadam o dinheiro que investidores famintos por rendimento jogam sobre eles.

 

Em outras palavras, grande parte do setor de tecnologia tem todas as marcas de uma bolha clássica e mostra os efeitos de anos de maus investimentos [gerados por expensão monetária e taxas de uro artificialmente baixas]. Os sortudos empresários e funcionários que recebem o mau investimento conseguem viver com o dinheiro [artificialmente] barato, com salários crescentes, escritórios luxuosos e “crescimento” sem fim. Trabalhadores e proprietários podem então [gabar-se] do quão brilhantes eles são. Mas muito disso é uma ilusão, e sua existência depende em grande parte de muitos anos de intervenções de bancos centrais destinadas a forçar a queda das taxas de juro, sustentar os preços dos ativos e, essencialmente, imprimir dinheiro para manter a liquidez fluindo incessantemente para as empresas por meio dos investidores. No entanto, quando a inflação de preços finalmente força o banco central a permitir que as taxas de juros aumentem novamente – como está a acontecer agora – a música para e parece que todos os génios brilhantes que dirigiam as empresas de tecnologia não eram tão eficientes, lucrativos ou inteligentes, afinal.

 

 

Artigo originalmente publicado no Mises Institute.

 

Tradução e edição de André Marques.

 

Autor: Ryan McMaken é editor sénior do Mises Institute. Ele possui bacharelado em Economia e mestrado em Políticas Públicas e Relações Internacionais pela University of Colorado. Ele foi um economista de habitação para o Estado do Colorado. É o autor de Commie Cowboys: The Bourgeoisie and the Nation-State in the Western Genre.

 

Nota: As opiniões expressas neste artigo não necessariamente vão totalmente de acordo com as da Elementum Portugal e do tradutor/editor deste artigo.

Etiquetas :

Sem categoria

Partilhar :

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *