Fale Connosco

+351 255 214 495

Registo

Prata e Proteína Encontrada em Mariscos Podem ser Úteis para Melhores Obturações Dentárias



Segundo o relatório de notícias do SilverInstitute de fevereiro de 2022, a prata e uma proteína encontrada em mariscos podem ser usadas para umamelhor aderência do material de obturação dentária.


A durabilidade de uma obturação dentária é tãoboa quanto a ligação entre a resina que compõe o material de obturação e opróprio dente. Enquanto procuravam por novos e melhores materiais de colagem,os pesquisadores encontraram algo promissor em uma proteína adesiva encontradaem mariscos e estão a usar prata para ajudar a testar a aderência destematerial aos dentes.


Mariscos e outros moluscos, como cracas, exibempoder de aderência em rochas, embarcações, cais e outros objetos aquáticos. Estaqualidade adesiva tem fascinado pesquisadores odontológicos há anos e elesestudaram vários animais para entender como suas propriedades de cola podem seraplicadas a adesivos dentários. “Os mariscos precisam manter sua adesividade emambientes marinhos agressivos, incluindo umidade, mudança drástica natemperatura da água e no valor do pH, choques repentinos e assim por diante”, disse Cynthia Kar Yung Yiu,professora clínica de odontopediatria da University of Hong Kong, que está a liderar aequipa de pesquisa. Ela acrescentou: “Estas são semelhantes às atividadesdiárias que acontecem na cavidade oral. Nossa pesquisa teve o objetivo decompreender as propriedades adesivas dos compostos de mariscos, o que podemelhorar a durabilidade e longevidade das obturações dentárias.”


O que sempre foi um desafio, no entanto, écomo testar seu poder adesivo, e é aí que a prata desempenhou um papelimportante.


Um método era expor o vínculo a váriastemperaturas, como as encontradas na boca de uma pessoa ao beber uma bebidamuito quente ou muito fria, por exemplo. O padrão internacional para testaradesivos dentários exige que o material seja submetido a 5 graus Celsius edepois 55 graus Celsius por muitos ciclos e, em seguida, verificado quanto à resistênciaadesiva. Um ácido foi adicionado ao teste e, em seguida, os pesquisadoresseguiram com uma solução de nitrato de prata. Em muitos casos, o ciclo dequente e frio fez com que rachaduras aparecessem e os pesquisadores puderam vero reflexo das partículas de prata que se infiltraram através de “nanoleaks” quede outra forma seriam difíceis de observar.


Experimentos mostraram que o composto derivadode marisco (conhecido como DMA) fortalece a ligação resina-dentina e podeaumentar a longevidade de uma restauração dentária. “Esta pesquisa descobriuque o DMA é eficaz no fortalecimento da união resina-dentina e melhora suadurabilidade. A citotoxicidade também é semelhante aos monômeros de resina emadesivos dentários tradicionais. Acredita-se que este composto possa sercomercializado no futuro”, disse James Kit Hon Tsoi, Professor Associado deMateriais Dentários. Outros membros da equipa que foram os autores do estudo eram da Wuhan University e do PekingUniversity Shenzhen Hospital.



André Marques

Etiquetas :

Sem categoria

Partilhar :

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *