O relatório de notícias do Silver Institute de outubro de 2020 trouxe informações sobre o uso de pequenasfibras de prata em máscaras para a verificação de problemas respiratórios e oposicionamento e ajuste adequado para máscaras usadas por profissionais desaúde.


Com muitas pessoas a usarem coberturas faciaisdevido à pandemia, seria interessante se os médicos pudessem ser alertadossobre sinais de perigo, como falta de ar, enviados diretamente de uma máscarafacial por meio de um smartphone ou Wi-Fi doméstico.


Cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, estãoa ajudar a tornar este dispositivo de diagnóstico possível ao produziremsensores de fibra, feitos de prata e material semicondutor tãomicroscopicamente fino e sensível ao cheiro, odor, umidade e toque que podemser incorporados em máscaras faciais.


Andy Wang, estudante de doutoramento doDepartamento de Engenharia de Cambridge, e seus colegas usaram um destes sensoresde fibra impressos em 3D para avaliar a quantidade de umidade da respiraçãovazada através de uma cobertura facial. Isto pode indicar dificuldades comorespiração rápida ou superficial e tosse. Ele observou que os sensores nãoapenas superaram os sensores comerciais, mas foram especialmente precisos nomonitoramento da respiração rápida, o que indica falta de ar.


A equipe de Wang sugeriu que, embora o sensornão tenha sido projetado para detetar partículas virais, como as que carregam oCOVID-19, poderia detetar pontos de vazamento em máscaras medindo a quantidadee a direção da umidade da respiração. Por exemplo, eles descobriram que asmáscaras de pano comuns vazam principalmente pela frente, especialmente, nãopela tosse. As máscaras N95 padrão do profissional de saúde vazamprincipalmente pela parte superior e pelas laterais. Os sensores podem nãoapenas garantir que as pessoas estejam a posicionar suas máscaras corretamente,mas também com firmeza suficiente.


“Nossos sensores de fibra são leves, baratos,pequenos e fáceis de usar, para que possam ser transformados em dispositivos deteste doméstico para permitir que o público em geral realize testesautoadministrados para obter informações sobre seus ambientes”, disse Yan YanShery Huang, do Departamento de Engenharia de Cambridge, que liderou a pesquisa.



André Marques