Fale Connosco

+351 255 214 495

Registo

Bancos Centrais Adicionaram 28.4 Toneladas de Ouro em Agosto



Em agosto, osbancos centrais, globalmente, adicionaram 28.4 toneladas de ouro emsuas reservas. Em julho, adicionaram 30.1 toneladas.


O banco centralda índia foi quem fez a maior adição: 12.9 toneladas. Foi o terceiro mêsconsecutivo de compras significativas de ouro pelo banco central indiano.


O Uzbequistãoadicionou 8.7 toneladas de ouro às suas reservas em agosto. Em julho, adicionou8.4 toneladas.


O Cazaquistão adicionou5.3 toneladas de ouro em agosto; a Turquia, 2.8 toneladas.


A Sérvia fezoutra pequena compra de 0.1 tonelada. O banco central sérvio adicionou pequenasquantidades de ouro às suas reservas todos os meses deste ano.


A única venda significativado metal foi feita pelo Catar: 0.9 tonelada. A Mongólia e a República Tchecatambém realizaram pequenas vendas.


O ritmo de comprade ouro do banco central desacelerou um pouco em julho e em agosto, devido àfata de grandes compras. Entre março e junho, houve vários aumentos em grandeescala nas reservas da Tailândia, Hungria e Brasil. As compras líquidas globaisno primeiro semestre do ano chegaram a 331 toneladas, 39% acima da média doprimeiro semestre de cinco anos.


Um analista doWorld Gold Council (WGC) que é muito cedo para sugerir que a tendência recentede compra tem perdido força: “Os bancos centrais declararam seu sentimentopositivo em relação ao ouro, e é improvável que isto mude em breve. Mas semcompras maiores como vimos entre março e junho, prevemos níveis mais modestosde compra daqui para frente.”


O Banco centralda Polónia pretende aumentar suas reservas de ouro em 100 toneladas em 2022 para fortalecer a estabilidade financeirado país.


De acordo com a pesquisa dereservas de ouro dos bancos centrais feita pelo WGC, 21% dos bancos centrais doglobo pretendem adicionar ouro às suas reservas no próximo ano. Em 2020, estapercentagem foi de 20%. A pesquisa também destacou a deterioração da confiançano dólar americano (USD) e a continuação da tendência da desdolarização (umadiminuição de reservas em dólar americano) por parte de alguns bancos centrais.


“Os entrevistadoscontinuam a prever mudanças estruturais de longo prazo no sistema monetáriointernacional, continuando a tendência indicada na pesquisa do ano passado. Avisão em relação ao dólar americano apresentou tendência de queda, com metadedos entrevistados afirmando que o dólar cairá abaixo de sua proporção atual. Osbancos centrais continuam a pensar que a proporção do renminbi chinês vaiaumentar, com 88% dizendo que vai crescer além dos níveis atuais.”


Depois derecordes de compras de ouro por parte dos bancos centrais em 2018 e 2019, houveuma diminuição em 2020, quando o total de compras foi de 273 toneladas. Em2019, as compras totalizaram 650.3 toneladas; em 2018, 656.2 toneladas. Segundoo WGC, 2018 foi o ano que registou a maior compra de ouro por parte dos bancoscentrais desde a suspensão da convertibilidade do USD em ouro (na época, apenas para bancos centrais,não incluindo pessoas singulares/físicas e coletivas/jurídicas) em 1971. 

 


André Marques

Etiquetas :

Sem categoria

Partilhar :

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *