No primeirosemestre de 2021, o mercado de ouro chinês já havia mostrado sinais derecuperação, com uma demanda de 547 toneladas (um aumento de 69.2%). E o maior consumidor de ouro do mundo continuou esta tendência no início do segundo semestre.


A China importou66.6 toneladas de ouro em julho (modestamente abaixo de 68.6 toneladas em junho).A demanda permaneceu firme apesar dos surtos regionais da variante delta.


A demanda de ouropor parte dos grossistas recuperou-se e isto se reflete no aumento dos spreads (margem de lucro).O spread médio do preço do ouro local subiu para US$ 5.8/onçaem agosto, US$ 4.1/onça acima do que o mês anterior.


Segundo o WorldGold Council (WGC), nos próximos meses, a demanda de ouro físico da China podese beneficiar das compras sazonais. Com os feriados de setembro e outubro, osconsumidores geralmente gastam mais em itens discricionários, como joias deouro, podendo cria criar uma demanda física de ouro por parte dos grossistas.


Os investidoreschineses também têm demonstrando interesse no ouro. Os ETF’s de ouro chinesesregistaram entradas pelo terceiro mês consecutivo em agosto, elevando asparticipações do metal nestes fundos para 70.4 toneladas.


Em abril, a China permitiu a importação de 150 toneladas de ouro.


A China também éo maior produtor de ouro do mundo, mas a produção das mineradoras caiu 3.91%,para 365.35 toneladas no ano passado. A pandemia não foi a única perturbação. Oaumento das regulamentações ambientais do governo também atrapalhou a produçãodas mineradoras.


A demanda de ourorecuperou-se no primeiro semestre de 2021; a produção das mineradoras chinesas,não. A produção de ouro caiu 10.2%, para apenas 152.8 toneladas. De acordo como Global Times, os acidentes de trabalho interromperam a produção dasmineradoras de ouro na província Shandong, no leste da China.

 


André Marques